Cemitério

“… a população de Cachoeira assustada e revoltada pelo grande número de mortos insepultos em suas ruas resolveu que durante a madrugada, quando não mais se ouviriam os estampidos da artilharia, arrastaria os corpos até um lugar isolado para posteriormente sepultá-los.”

Uma antiga tradição conta que no desenrolar da Guerra dos Emboabas, no ano de 1708, a população de Cachoeira assustada e revoltada pelo grande número de mortos insepultos em suas ruas resolveu que durante a madrugada, quando não mais se ouviriam os estampidos da artilharia, arrastaria os corpos até um lugar isolado para posteriormente sepultá-los. E assim se deu. Quando já se fazia noite alta, um grupo de pessoas do arraial penetrou na mata e abriu uma clareira, onde hoje é o Cemitério das Dores e para lá levou os mortos, tornando deste então aquele lugar conhecido como o local das dores, tamanho o sofrimento infligido. Quando das primeiras celebrações da Semana Santa, se fez necessária a construção de uma igreja dedicada à  Nossa Senhora das Dores e o local escolhido foi ao lado do cemitério que já existia de longa data. A construção foi feita pela população pobre que residia no antigo Bairro das Dores.